quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Estrada para Araioses começa a ser asfaltada



SÃO LUÍS - As obras de restauração da MA-345, entre Araioses e o entroncamento com a MA-346, foram iniciadas em outubro e seguem em ritmo acelerado. A Ordem de Serviço foi assinada durante visita do vice-governador, João Alberto, e secretários de Estado à região.

De acordo com o vice-governador João Alberto, a medida foi a primeira a ser tomada quando assumiu os 37 dias de governo no período em que a governadora esteve licenciada. "Tenho um carinho muito grande por essa cidade; meu casamento foi aqui. A governadora Roseana não hesitou em atender esse pedido", revelou.

O asfalto novo começa a chegar à estrada, no trecho de 23 km, com investimentos da ordem de R$ 4 milhões, uma reivindicação antiga dos moradores.

Andamento

Os serviços de terraplanagem e reconstrução da base já foram concluídos. No estágio atual, as máquinas trabalham na pavimentação dos trechos já restaurados. A colocação do asfalto deve se estender até o final do mês de janeiro, quando então será iniciada a etapa de sinalização.

Segundo o secretário de Infraestrutura, Max Barros, o conjunto de obras em todo o trecho garantirá muito mais agilidade ao tráfego pelo local. Ele ressalta que, além da pavimentação dos 23 quilômetros entre as duas cidades, o Plano Rodoviário do Programa Viva Infra-Estrutura, lançado em julho pela governadora Roseana Sarney, contempla a conservação da malha, para prevenir problemas depois que a obra estiver pronta.

"Foram dois os motivos que levaram as estradas a ficar no estado em que as encontramos quando assumimos o governo: o primeiro foram as fortes chuvas que se abateram sobre o Estado desde o início do ano e o outro foi a falta de conservação da malha viária nos últimos seis anos", declarou. "Contra o primeiro, não há remédio, mas para a falta de conservação nós já achamos a solução", completou.

Ainda de acordo com o secretário, a meta do Plano Rodoviário é, até o fim da atual administração, deixar todas as cidades maranhenses ligadas por acessos asfaltados.

Com informações da Sinfra.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009


Na política do Maranhão só existe mocinho, felizmente

O Maranhão é visto pelo resto do país como um Estado onde a bandalheira existe de maneira generalizada.

Qualquer cineasta que queira fazer um filme usando como tema a política do Estado do Maranhão, por absoluta falta de bandidos, ao contrário do que mostra o jornalista Palmério Dória, no seu livro “Honoráveis Bandidos” não conseguirá. Nesse seu livro muito polêmico, por sinal, mas que só tem um lado, que por má fé ou por desconhecimento da história recente deste Estado o seu autor, omite. O que tira muito da credibilidade desse livro, que pretende satanizar a família Sarney, esquecendo de mostrar também a verdadeira face daqueles que fazem oposição a esse grupo. A face oculta de um grupo que em nada difere no seu modo de agir, daqueles que escolheram como vitima preferencial.

Hoje mesmo, ao fazer alguns contatos no município de Timon, com gente da oposição e da situação, fiquei boquiaberto com as notícias enriquecimento de algumas pessoas que julgava sérias, acima de qualquer suspeita. Políticos que conseguiram num curto espaço de tempo, amealhar fortunas colossais.

Nenhum governo maranhense resiste a uma investigação criteriosa, seja de que lado for o governo, porque, o germe da corrupção já está institucionalizada num Estado, onde o mérito não conta, bastando para que alguém se destaque em qualquer setor de atividade, cair nas graças do cacique de plantão.
“No Maranhão não há verdade”, como dizia Antonio Vieira nos seus sermões. No Maranhão, há isto sim, grandes negociatas, com cada grupo político sendo corrupto a sua maneira. No Maranhão, como a corrupção não foi eliminada, todos os políticos indistintamente, resolveram se locupletar.

Na realidade, o que existe o sujo falando do mal lavado, como costuma dizer o caboclo maranhense, que por ignorância, resolveu levar tudo na valsa, como se diz na gíria. Esse Estado de indiferença em que permanentemente se encontra o maranhenase é o que os sociólogos apelidaram de alienação ou alheamento para os psicólogos. Nesse último caso, já se trata de uma doença.

Governo entrega, em janeiro, rodovias no Médio Mearim



Asfalto e acostamentos já foram concluídos e falta apenas a sinalização.



Gilberto Léda/Secom

SÃO LUÍS - Os primeiros trechos de rodovias estaduais restauradas pelo programa "Viva Infraestrutura" na região do Médio Mearim devem ser entregues em janeiro. O maior segmento de obras é o do anel rodoviário que liga desde o povoado Independência, em Peritoró, a Bacabal, passando por Lima Campos, Pedreiras, Trizidela do Vale, Bernardo do Mearim, Igarapé Grande, Lago dos Rodrigues, Lago do Junco e Lago da Pedra.

São 144 km, divididos em três lotes, que devem ser totalmente restaurados. O primeiro lote, nas MAs 020 e 122, entre o povoado Independência e Pedreiras, passando por Lima Campos, está praticamente pronto. Asfalto e acostamentos já foram concluídos e falta apenas a sinalização do trecho de 31 km para que a entrega oficial seja realizada pelo governo do Estado.

"Essas obras contemplam a restauração do maior trecho do Programa Viva Infraestrutura, o que mostra a importância da região, que merece essa atenção porque foi uma das mais atingidas pelas chuvas", afirmou o secretário de Infraestrutura, Max Barros.

Para o prefeito de Pedreiras, Lenoílson Passos, o empenho da governadora Roseana Sarney foi fundamental para que as obras saíssem do papel. "A gente só tem que agradecer o empenho e a sensibilidade da governadora Roseana Sarney, pois temos certeza de que, com todos esses trechos restaurados, não só o escoamento da produção será facilitado, mas também o comércio ganhará novo impulso", concluiu Passos.

Com informações da Sinfra.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Deputado repudia livro que ataca Sarney

O deputado federal Bene Camacho (PTB-MA) voltou a repudiar a "maneira leviana" com que o jornalista e escritor Palmério Dória se refere ao ex-presidente da República e atual presidente do Senado, José Sarney, em seu livro "Honoráveis Bandidos".




"O jornalista comete injustiças e lança acusações levianas sob orientação política daqueles que, por inveja, desconhecimento ou pura perseguição, não querem reconhecer a grandeza da figura política do Presidente Sarney e sua contribuição para a política e a cultura do Maranhão e do Brasil", afirmou o parlamentar.



Bene já havia registrado seu repúdio em sessão da Câmara dos Deputados, do dia 5 de novembro, por ocasião do Dia Nacional da Cultura Brasileira.



Da tribuna, o deputado maranhense registrou que "para que tenhamos uma ideia da maneira leviana como esse livro foi escrito, gostaria de citar alguns relatos insuspeitos" publicados em jornal de São Luís, "a respeito de uma entrevista de seu autor, Palmério Dória".



"Inicialmente, vemos a relação histórica que esse autor tem com o PDT, que, no Estado do Maranhão, tem como seu decano o ex-governador Jackson Lago, cassado em decorrência de inúmeras improbidades na campanha política do Governo do Estado", relatou o deputado durante sua fala.



"Na entrevista, Senhor Presidente, quando perguntado como o livro Honoráveis Bandidos tomou forma, o autor falou o seguinte: ‘O que me orienta é o método onírico-dialético, uma brincadeira criada nos anos 70 (...)’. Ou seja, o método por meio do qual esse livro foi construído se baseia em conversa, falação, sonhos", criticou.



Em outro trecho do discurso, Bene registrou: "Quando perguntado quantos dias ele permaneceu pesquisando no Maranhão para fundamentar esse livro, ele disse o seguinte: ‘Dei muita sorte no Maranhão (...) de encontrar as pessoas certas para cumprir as pautas que estabeleci. (...) passei alguns dias em São Luís sabendo direitinho com quem eu queria encontrar’. Quando perguntado como fez para fundamentar a pesquisa para o livro e se teve acesso a documentos, ele disse: ‘Não existe um método, não’".



O deputado explicou então a razão do jornalista ter agido dessa maneira: "Nós podemos ver como esse livro procura atingir a honra de pessoas que se têm dedicado à vida pública para trabalhar em prol do nosso País e, principalmente, do meu Estado, o Maranhão. E essas pessoas são atingidas de uma forma desagradável, baseada simplesmente em falácias e suposições".



"Encerrando a entrevista, perguntaram ao autor qual, durante os seus 40 anos de jornalista, o seu ponto de maior referência. A resposta foi uma curta passagem pela revista Sexy, que, com todo o respeito à publicação, não acredito seja uma referência séria no que diz respeito a assuntos políticos", prosseguiu o deputado.



"Acho que o autor deveria ficar restrito ao assunto que ele pauta como de seu maior interesse. Eu só poderia me referir ao motivo desse livro reproduzindo uma citação do próprio autor: ‘Não tenho nada contra Sarney, tenho tudo contra o que ele fez com o Maranhão", criticou o deputado.



Em seguida, Bene explicou o quê o jornalista quis dizer com a expressão "tenho tudo contra o que ele [Sarney] fez com o Maranhão": "Então, acredito que ele [o jornalista] é contra a instalação da Ferrovia Norte-Sul, da Ferrovia de Carajás, do Porto de Itaqui e da rede elétrica que o senador levou para o Maranhão, bem como é contra os novos investimentos na Refinaria Premium da Petrobras, a construção da Usina Hidrelétrica de Estreito e da Aciaria do Polo Industrial de Açailândia".



Finalizando, Bene justificou o seu discurso: "Queremos fazer este registro para que todos saibam o motivo que o levou [o jornalista] a escrever esse livro".

http://www.oprogresso-ma.com.br/progresso1.html

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Flávio Dino veio ao Piauí humilhar os maranhenses



O respeito que tenho pelo Estado do Piauí e pelos piauienses, mas como maranhense que sou não posso admitir que um político do meu Estado, venha denegrir a sua imagem, ao dizer que quer ser o Wellington Dias do Maranhão. Se o senhor Flávio Dino, no afã de agradar o governador e o povo piauiense, num arrobo de retórica, dissesse que gostaria de ser o Petrônio Portella do Maranhão, até que faria algum sentido, uma vez que Petrônio Portella foi um político piauiense de projeção nacional. O Maior político piauiense de todos os tempos.



Agora o deputado federal Flavio Dino, querer ser o Wellington Dias do Maranhão é num mínimo um despropósito, pois não há nada na vida do governador do Estado do Piauí, que justifique alguém falar tamanha tolice. Senhor Flavio Dino, me aponte uma obra desse governador que o senhor tanto admira, da qual o piauiense possa se referir com orgulho? Que eu saiba, não existe na biografia de Wellington Dias, nenhuma grande obra, da qual o piauiense possa se orgulhar e que ela sirva para projetar este estado além das suas fronteiras.



Já o saudoso Alberto Tavares, esse sim, foi um político que não só trabalhou muito pelo seu estado, do ponto de vista da realização de grandes obras, como contribuiu de maneira decisiva para que mudasse a atitude mental dos seus conterrâneos, que antes dele ser governador, não tinham auto-estima e nem tão pouco do que se orgulhar por ter nascido no Piauí.



Disse aqui neste espaço ontem e volto a repetir: o senador José Sarney, com todos os seus defeitos, que são muitos, isso é inegável, mas nós maranhenses para sermos absolutamente sinceros, não podemos negar a importância de Sarney para o Maranhão. Antes de Sarney ser governador do nosso Estado, o Maranhão não dispunha de obras estruturantes, como portos, ferrovias, rodovias e grandes projetos, como o Centro de Lançamento de Foguetes de Alcântara, uma empresa estatal como a Vale e a descoberta do grande potencial turístico desse Estado. Como por exemplo, essa maravilha que é os lençóis Maranhenses. 11:42 (5 minutos atrás) excluir André

Passado o momento de revolta, hoje eu já encontro uma explicação para essa manifestação infeliz do deputado federal Flávio Dino: é que ele queria afagar o ego de Wellington Dias, para que o governador piauiense no futuro venha a interceder por ele junto a Lula. Senhor deputado Flavio Dino, no Maranhão Lula é Sarney. Hoje o PT do Maranhão tornou-se o maior aliado da família Sarney nesse Estado. Isso quer dizer que a sua estratégia falhou.



Isso que disse Flávio Dino ao visitar o Piauí, para nós maranhenses soou como uma verdadeira ofensa e uma grande humilhação. E isso o maranhense não vai perdoá-lo nunca. Ouso afirmar que Flávio Dino acabou cometendo suicídio político, por dois motivos: o primeiro foi que ele conseguiu atrair a ira da família Sarney, ainda muito poderosa no Maranhão. Segundo, porque e o maranhense não admite em hipótese nenhum que outro maranhense humilhe o seu Estado. Depois do disee, Flávio Dino merece ser banido da política maranhense. 11:43 (4 minutos atrás) excluir André

Flávio Dino perdeu uma grande oportunidade de fica

Tamanho da fonte: O deputado federal Flavio Dino (PCdoB), fala mal do grupo Sarney, só que ele anda esquecendo, que o seu partido no Estado do Maranhão, sempre foi um dos maiores parceiros desse grupo, que há mais de 50 anos domina esse Estado; desde que Sarney assumiu a presidência da república. Todo maranhense sabe do que eu estou falando.



Essa coisa dele dizer que quer ser o Wellington Dias do Maranhão é uma tremenda besteira, porque o Estado do Maranhão, em que pese a criticas que "eu" costumeiramente faço ao grupo Sarney, não posso negar a importância de Sarney para o Estado do Maranhão. Sem Sarney o Maranhão não teria o segundo maior porto do mundo, o minério de Carajás não seria exportado via Porto do Itaqui ( o que forçou a Comapnhia Vale a construir uma ferroiva de grande porte nesse Estado), o Maranhão não sediaria um Centro de Lançamento de Foguetes, o Maranhão não receberia uma refinaria de petróleo, o Maranhão não estaria na iminência de sediar uma Base Naval. Isso tudo, graças ao prestígio de Sarney. Agora me responda senhor Flavio Dino, qual o grande projeto que o Estado do Piauí tem instalado. Até um porto marítimo, esse caminha a passos de tartaruga, e corre o sério risco de não ser concluído ainda no governo Lula. 11:47 (0 minutos atrás) excluir André

Na eleição para prefeito de São Luís, toda a imprensa ludovicense falou do acordo que foi tramado entre esse deputado que hoje diz querer ser o Wellington Dias do Maranhão com a família Sarney. É óbvio que eu defendo a alternância de poder, mas isso não quer dizer, que nós os maranhenses devamos trocar seis por meia dúzia. Na atual conjuntura, não existe no Maranhão, nenhuma "liderança" que se diferencie dos Sarneys. No Maranhão todos são iguais, farinha de um mesmo saco. Essa é a nossa triste e dura relaidade.



O Estado do Maranhão anda mesmo avacalhado, ao ponto de alguém que pretende governá-lo, querer ser comparado ao governador de um estado, que continua sendo o mais pobre do Brasil. O Estado do Maranhão que em 2012 completará 400 anos necessita de políticos mais audaciosos e que queiraqm transformar o Maranhão num novo São Paulo.



Extraído do Portal AZ do Piauí, texto escrito por Dom Severino jornalista maranhense radicado no estado vizinho um dos jornalistas que mais ataca o Sarney, mas que agora reconhece os grandes benefícios que Sarney conseguiu para o Maranhao.
 
http://www.guiademidia.com.br/acessar_jornal.htm?http://www.portalaz.com.br

sábado, 19 de dezembro de 2009

Roseana já é favorita para disputar reeleição

Oito meses depois de ter assumido o governo do Maranhão, a governadora Roseana Sarney (PMDB) já é a favorita para as eleições do ano que vem. Pesquisa Sensus divulgada ontem aponta reeleição em primeiro turno com folga de 11,2 pontos percentuais. O segundo colocado é Jackson Lago (PDT), seguido de Flávio Dino (PC do B) e de Roberto Rocha (PSDB).

Na manifestação espontânea do eleitor, Roseana é a única que ultrapassa os dois dígitos de intenção de voto, chegando a 21,6%. Na estimulada, a atual governadora vence com 49,8%. Jackson Lago fica com 24,6%, Flávio Dino com 10,1% e Roberto Rocha com 3,9%. Indecisos e votos em branco e nulos somam 11,6%.

A pesquisa Sensus, apesar da folga de mais de 11 pontos percentuais para uma decisão logo em primeiro turno, simulou três situações de segundo turno para as eleições de 2010 no Maranhão. No primeiro quadro, Roseana enfrentaria Jackson Lago e venceria com mais de 25 pontos de vantagem: 57,9% a 32,4%. Na segunda situação, o adversário seria Flávio Dino e o resultado seria 59,5% a 24,0% para Roseana. A terceira simulação de segundo turno seria com a participação de Roberto Rocha, com o resultado de 62,5% a 20,8% favorável a Roseana.

O Instituto Sensus, um dos maiores do Brasil, ouviu mil pessoas entre os dias 12 e 16 deste mês, em cinco regiões do estado com sorteio aleatório de 50 municípios. O método aplicado assegura índice de confiança no resultado de 95% e admite uma margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos.

A avaliação do governo Roseana Sarney é positiva. Apenas 19,2% dos maranhenses reprovam o seu trabalho. A soma dos que dizem que o Maranhão melhorou com o governo de Roseana é de 56,7%, contra apenas 9,5% dos que dizem que o estado piorou. As qualidades mais atribuídas a Roseana pelos entrevistados são de boa administradora, de boa política, de trabalhadora, que ajuda a população carente, realiza obras e tem boas propostas.

Presidência - Para a Presidência da República, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), é a favorita dos maranhenses. Se as eleições fossem hoje, ela teria 39% dos votos do estado, contra 23,8% do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), 15,1% do deputado Ciro Gomes (PSB) e 4,1% da ex-ministra Marina Silva (PV). Indefinidos e votos em branco e nulo somariam 18%.

Os maranhenses formam quase uma unanimidade quando avaliam o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os que dão plena apro-vação a Lula somam 86,1%, enquanto 11,9% dizem que é um governo regular. Somente 1,5% reprova Lula. Dos que aprovam o presidente, 34% dizem que Lula é bom porque ajuda a população carente, 27,5% dizem que ele é bom administrador e 10,5% dizem que é um bom político.

A pesquisa da Sensus também apurou que o presidente Lula é um excelente cabo eleitoral diante do eleitor maranhense. Dos entrevistados, 28,5% dizem que votam em quem Lula indicar e 40,2% disseram que podem votar em quem o presidente apoiar. Apenas 9,4% dizem que não votariam numa indicação de Lula.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

MA-326: aceleradas as obras de pavimentação



As obras de pavimentação da MA-326, totalizando 26 quilômetros, de Lago Verde a Conceição do Lago-Açu, na região do Médio Mearim, estão bem adiantadas. Os trabalhos estão sendo realizados pelo Governo do Estado, dentro do programa Viva Infraestrutura.g

“A previsão é de entregarmos 14 quilômetros da estrada concluídos, com asfalto, até o dia 23 de dezembro”, garantiu o responsável pela obra, Cássio Geordane da Silva. “Os serviços de terraplanagem e reconstrução da base já foram finalizados ao longo de todo o trecho, o que significa que a população não vai mais sofrer no próximo período de chuvas com dificuldades de acesso”, ressaltou.

No trecho de 26 km, por causa dos atoleiros, as cidades ficavam isoladas durante o período de chuvas. Por esse motivo, foram realizadas obras de drenagem, com a colocação de encanamento para garantir o correto escoamento da água, além de intervenções para prevenir a formação de novos atoleiros, muito comuns na área devido à característica do solo.

Plano Rodoviário - Além da pavimentação da estrada entre as duas cidades, o Plano Rodoviário do Programa Viva Infraestrutura, lançado em julho pela governadora Roseana Sarney, contempla outros 15 quilômetros da MA-326, do entroncamento com a BR-316 até Lago Verde. Nesse ponto, será restaurada a malha já existente, com retirada do asfalto danificado e substituição por uma nova camada.

“Esses dois trechos têm muita importância para o desenvolvimento da região, porque propiciam a ligação de Lago Verde e Conceição do Lago-Açu a uma via essencial para o escoamento da produção local, que é a BR-316”, afirmou o secretário de Estado de Infraestrutura, Max Barros.

De acordo com o secretário, a meta do Plano Rodoviário é, até o fim da atual administração, deixar todas as cidades maranhenses ligadas por acessos asfaltados. “O Governo do Estado e a Secretaria de Infraestrutura têm uma meta, que é ligar todas as cidades do nosso estado por asfalto, não deixar mais ninguém isolado. E nós estamos caminhando rápido. O programa é ousado, todos nós sabemos disso, mas fizemos tudo com muito planejamento, com muita cautela, para que não se iniciassem as obras sem ter o dinheiro para pagar”, completou.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Escândalo "Opera Prima" SAIBA POR QUE A POLÍCIA "CAÇA" ALIADO DE ADERSON

Basicamente 3 fornecedores “calçaram” o saque criminoso de R$ 1.260.000,00 do convênio 127/2005, assinado entre a secretária de Estado da Saúde, Helena Duailibe, e o prefeito de Mata Roma, Lauro Pereira Albuquerque, no penúltimo dia útil de 2005, no valor de R$ 1.260.000,00, integralmente repassado em 2006.


A Espontânea Material Hospitalar, de São Luís, operava cerca de R$ 50 mil por mês; Distribuidora GM, do Piauí, manuseava R$ 10 mil por mês, e o filho do prefeito, vereador Bezaliel Pereira Albuquerque, cuidava de cobrir outros R$ 10 mil mensais com notas de gráficas e de “fornecedores de serviços de manutenção dos equipamentos hospitalares”.

Para fechar os R$ 105 mil mensais, seis médicos e dentistas, todos ligados familiarmente ao prefeito, a assessores de Aderson Lago e ao secretário municipal da Saúde (Gustavo Adriano Matos Correa), assinavam o recebimento de salários de cerca de R$ 6 mil. Segundo diagrama manuscrito deixado junto às notas fiscais e extratos da conta bancária do convênio, “ninguém trabalhava”.

Do dinheiro pago à Espontânea, diz o diagrama, respaldado em movimentações bancárias, Henrique Barbosa e Gustavo Lago, ambos assessores de Aderson, mês a mês se revezavam no recebimento de um cheque no valor de R$ 17 mil. Pelo valor, eles eram forçados ao endosso no verso dos cheques, para poder sacá-los no caixa do Banco do Brasil. “Basta que o TCE ou o MPE requeira ao banco fotocópias desses cheques, para que se comprove o crime” – diz o autor do manuscrito.

Do dinheiro pago à Distribuidora GM, o diagrama não faz referência nenhuma, mas curiosamente as notas fiscais de fornecimento são carimbadas pelos postos fiscais do Piauí, como se, de fato, as mercadorias tivessem sido transportadas para Mata Roma. Pesa contra esse fornecedor o fato dele ter sérias complicações de liquidez, a julgar pela quantidade de títulos protestados e de cheques emitidos sem provisão de fundos.

As notas mensais operadas pelo filho do prefeito são sempre exatas de R$ 10 mil reais, independentemente do tipo de serviço e de fornecedor. Tem “manutenção” em equipamento não discriminado e “fornecimento de peças” por firma que não tem essas mercadorias. Tem, também, a exagerada impressão de fichas de cadastramento de recém-nascidos, parturientes, hipertensos e aposentados, numa quantidade compatível com população 30 vezes maior com a que de fato possui Mata Roma.

Na Espontânea, o diretor Pedro Paulo, por telefone, se irritou ao falar de notas fiscais sem carimbo dos postos de arrecadação do Estado. “Essas mercadorias forma apanhadas aqui, pelo carro da Prefeitura, porque era situação de emergência” – disse ele. Em meio a essas emergências estão dezenas de “balanças mecânicas”, dessas de pesar as pessoas.

Os prefeitos de São João Batista, Eduardo Dominici (PDT), e de Presidente Dutra, Irene de Oliveira (PRB), tiveram seus mandatos cassados

Carla Lima

Da editoria de Política


Os prefeitos de São João Batista, Eduardo Dominici (PDT), e de Presidente Dutra, Irene de Oliveira (PRB), tiveram seus mandatos cassados ontem pela Justiça Eleitoral, por ilegalidades cometidas nas eleições municipais de 2008. O primeiro é acusado de abuso de poder político e econômico, e a segunda foi denunciada por captação ilícita de votos. Nos dois casos ainda cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Eduardo Dominici foi cassado pelo juiz Cristiano Simas Sousa. Como ele recebeu 41% dos votos do eleitorado de São João Batista, será substituído pela segunda colocada no pleito de 2008, Surama Soares (PV), que assume hoje a prefeitura da cidade, em solenidade que acontecerá pela manhã na Câmara Municipal.

Em Presidente Dutra, Irene de Oliveira foi cassada pela juíza Rosa Maria da Silva Duarte. Durante a campanha eleitoral de 2008, moradores do município teriam sido beneficiados com distribuição de tijolos. Uma testemunha confirmou, em juízo, que havia recebido tijolos da mãe da prefeita cassada, Maria Dine de Oliveira, para que votasse na então candidata. Como a prefeita eleita recebeu 51% dos votos válidos, a juíza determinou a realização de novas eleições.

Por enquanto, assumirá o cargo de prefeito de Presidente Dutra o presidente da Câmara Municipal, Itamar Lucena (PSDB), em data ainda não definida. Irene de Oliveira será notificada sobre a decisão da magistrada para depois permitir a posse do vereador.
Absolvição – Também ontem o prefeito de Parnarama, Raimundo Silva da Silveira (PMN), comemorou a decisão dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de manter seu mandato. Na sessão da última terça-feira, por unanimidade, o pleno do TSE decidiu negar recurso ao Ministério Público Eleitoral (MPE) e a David de Carvalho, candidato a prefeito nas eleições de 2008 contra Raimundo Silva.

O prefeito eleito de Parnarama teve as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União por ter efetuado pagamento antecipado de leite, por meio de dispensa de licitação. Ao julgá-lo, o TRE decidiu que a irregularidade era sanável e por isso considerou regular o registro de candidatura de Raimundo Silva, já que o objeto do convênio foi cumprido e a dispensa de licitação se deu pela urgência do objeto, que seria atender crianças com desnutrição e gestantes do município.

Deputados debatem cassação de Dominici

A cassação do prefeito de São João Batista, Eduardo Dominici (PDT), gerou debate ontem na Assembléia Legislativa entre os deputados Joaquim Haickel (PMDB) e Marcelo Tavares (PSB), presidente da Casa e primo de Dominici. Para Haickel, muitos prefeitos aliados dos ex-governadores José Reinaldo Tavares (PSB) e Jackson Lago (PDT) estão perdendo os cargos por decisão da Justiça Eleitoral “em conseqüência direta do samba do crioulo doido em que se transformou a política do Maranhão nos últimos sete anos”.

Ressaltando que os processos que tramitam na primeira instância da Justiça Eleitoral seguem uma lógica municipal, independente de quem esteja no comando do Estado, Joaquim Haickel disse que apoiar ou não o atual governador não muda a situação dos gestores ameaçados de cassação. “O fato de Eduardo Dominici ser sobrinho de José Reinaldo não foi determinante para que ele perdesse o cargo, mas as ilegalidades cometidas”, acrescentou.

Em resposta ao presidente da Assembléia, Haickel disse considerar um erro a insinuação de que Dominici foi cassado porque o vice da prefeita que o substituirá, Surama Soares, é irmão do desembargador José Joaquim Figueiredo dos Anjos. “Se assim fosse, seria muito simples comprovar que a cassação não tem fundamento legal e com certeza amanhã o prefeito voltaria”, analisou.

MA-322 vai integrar municípios

03/12/2009


MA-322 vai integrar municípios

O secretário de Estado de Infraestrutura, Max Barros, assinou, ontem, a ordem de serviço para restauração da MA-322, trecho de 40 km, entre os municípios de Matões do Norte, Cantanhede e Pirapemas. Serão investidos na obra aproximadamente R$ 4 milhões e os trabalhos devem estar concluídos em 90 dias.

Acompanharam Barros durante a solenidade em Matões do Norte o secretário de Planejamento, Gastão Vieira, e o deputado estadual Chico Gomes (DEM), além dos prefeitos Solimar Alves (Matões do Norte) e José Martinho, o Cabão (Cantanhede).

Segundo Max Barros, a obra é fruto de uma decisão da governadora e do empenho dos prefeitos dos municípios beneficiados que buscaram apoio do Governo do Estado para a recuperação do trecho. "Quero ressaltar a importância dos prefeitos da região para que essa obra fosse possível. Foram eles que sempre buscaram o apoio da governadora Roseana Sarney para que a estrada fosse incluída no Programa Viva Infraestrutura", destacou o secretário.
Gastão Vieira lembrou que a estrada foi construída durante o segundo mandato da governadora Roseana Sarney, entregue em 2002, e desde então não passou por nenhuma intervenção.

"A estrada estava deteriorada e foi uma determinação da governadora a sua imediata recuperação assim que ela assumiu o governo", disse. Vieira. "Todos nós sabemos que o desenvolvimento de um estado passa por estradas e esta, em particular, tem importância fundamental não só pelo desenvolvimento da região, mas também pelo conforto que proporcionará à população".
Na opinião do deputado estadual, Chico Gomes, as ações de infraestrutura em todo o Maranhão são cada vez visíveis.

"Vemos em todo o Maranhão estradas sendo restauradas e construídas e acreditamos que a meta do governo será cumprida, ou seja, ligar todos os municípios do estado ao asfalto", afirmou Chico Gomes, se referindo ao secretário Max Barros.
Para os prefeitos, o principal ganho dos municípios com a obra será a integração. "Esta é uma obra de grande importância para os três municípios porque diminui as nossas distâncias e nos aproxima muito mais", ressaltou Solimar Alves.

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/12/03/pagina166125.asp

sábado, 28 de novembro de 2009

Documentos comprovam suborno recebido por Aderson Lago


Documentos originais fornecidos pelos envolvidos no caso Ópera-Prima comprovam que o então deputado estadual Aderson Lago (PSDB) recebeu alguns milhões de reais para servir ao grupo do governador da época, José Reinaldo Tavares (PSB), como candidato "laranja" ao Governo do Estado nas eleições de 2006. Cúmplices de parlamentar calculam que o suborno pode ter chegado aos R$ 5 milhões. Só por meio das prefeituras de Caxias e Mata Roma a operação criminosa desviou cerca de R$ 3,6 milhões de reais dos recursos da Saúde Pública.




Há um ano e meio surgiram as primeiras evidências de que Aderson Lago havia sido pago pelo então governador José Reinaldo para trocar uma candidatura de reeleição para a Assembléia Legislativa por uma candidatura ao Governo do Estado, pelo PSDB, sem chances de vitória e com a missão única de atacar a candidata Roseana Sarney (DEM). Agora, em meio a levantamentos feitos pela polícia, blogs dos jornalistas Hostílio Caio, Walter Rodrigues, Décio Sá e Marcos D`Eça tiveram acesso aos documentos que comprovam o "desembarque" de dinheiro do governo, via prefeituras aliadas e empresas fantasmas, nas contas bancárias dos dois filhos de Aderson Lago.



Além das contas bancárias dos filhos, Aderson Neto e Rodrigo Lago, o então deputado utilizou a do seu contador e a de um comerciante que intermediou a compra de notas fiscais frias do falso vendedor de remédios Pedro Ramos Cardoso. Um dos filhos do ex-deputado é dono da empresa de eventos e propaganda Ópera-Prima, com sede no Rio de Janeiro.



O esquema todo girava por intermédio das emendas eleitoreiras que José Reinaldo simulava com deputados e prefeitos aliados para fazer caixa para a compra de votos nas eleições de 2006. Cada deputado aliado tinha direito a R$ 1,5 milhão dessas emendas, mas Aderson Lago, por ter aceitado ser o "laranja" encarregado de fazer a chamada desconstrução da candidatura favorita, teve direito a três vezes mais do que os colegas.



Para operar o esquema em Caxias, Aderson Lago contou com a P.R.Cardoso, empresa de fachada de Paço do Lumiar que só possuía como "mercadoria" notas fiscais frias. Em Matra Roma ele utilizou faturas compradas junto a uma tal Distribuidora Espontânea e a uma gráfica de Chapadinha. Para os delegados Edinaldo Silva dos Santos, Marco Antonio Fonseca e Regina de França Barros, que apuram o caso, funcionários das prefeituras e fornecedores de notas fiscais frias já confessaram o crime.



Os documentos entregues à Polícia Civil são originais de depósitos bancários feitos pela P.R. Cardoso nas contas dos filhos de Aderson Lago e até extratos bancários mostrando a transferência de dinheiro da conta da Prefeitura de Caxias para a P.R.Cardoso e posteriormente para as contas controladas pelo ex-deputado tucano que chegou a ter uma outra compensação no governo cassado do seu primo Jackson Lago (PDT), o cargo de secretário Chefe da Casa Civil.



Em meio à triangulação do dinheiro que saía do orçamento da Saúde do Estado, Aderson Lago tentou enganar o prefeito de Caxias, Humberto Coutinho, conforme narram operradores do esquema (veja nos quadros dos depoimentos), mas HC foi mais esperto, travando o repasse da última cota do dinheiro para a Ópera-Prima até que a parte que lhe cabia fosse devolvida.





Mata Roma disfarçou mal suas compras





Os operadores do esquema de Aderson Lago em Mata Roma desafiaram a lógica e exageraram na discriminação das compras e dos serviços simulados nas notas fiscais que calçaram o saque criminoso de mais de R$ 2,5 milhões. Se fossem utilizadas todas as fichas de parturientes pagas a uma gráfica de Chapadinha, cada mulher matarromense, da mais nova à mais idosa, teria dado à luz pelo menos 8 filhos por ano em 2005 e 2006.



A quantidade de lâminas cirúrgicas descrita nas notas emitidas pela Distribuidora Espontânea seria suficiente para operar 3 vezes cada morador do município no ano de 2006, e o detalhe é que em Mata Roma não se faz nem curativo (todos os casos médicos são levados para a vizinha Chapadinha).



O estado chegou a repassar R$ 2,4 milhões para o então prefeito Lauro Albuquerque, o Graxal, aliado de primeira hora de Aderson Lago. Os funcionários da Prefeitura confessam que atestavam as compras fantasmas e que o dinheiro apurado era entregue a Aderson Lago e ao vereador Besiliel Freitas Albuquerque, filho de Graxal. Quem recebia por Lago eram seus assessores Augusto Lago e Ermildo Barbosa.



Os delegados que apuram os casos de Mata Roma e Caxias só ainda não ouviram os prefeitos das duas cidades e o ex-deputado Aderson Lago. Todos os demais envolvidos confessaram os esquemas. O dono da Espontânea tentou negar, mas acabou confessando pelo menos uma coisa: 30% do que faturava ele entregava ao filho de Graxal.

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/29/pagina165932.asp

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Desde 1996, portadores do vírus da AIDS têm acesso gratuito a medicamentos

Um dia depois de a Organização Mundial da Saúde ter atribuído a queda de 17%, nos últimos oito anos, de novos infectados pelo vírus da AIDS, aos programas de prevenção e ao maior acesso aos medicamentos, repórteres lembraram que foi de autoria do presidente do Senado, José Sarney, a lei 9.313, que assegurou o acesso a medicamentos para todos os portadores do vírus HIV desde 1996.

"Fico feliz por ter participado, por ter sido sensível a essa descoberta dos retrovirais. No mesmo dia em que os cientistas anunciavam a descoberta desses medicamentos, em Vancouver, eu apresentei no Senado um projeto de lei, era presidente do Senado, em que determinava ao Estado brasileiro o fornecimento gratuito desses remédios a todos os portadores do vírus", salientou, em entrevista coletiva, na chegada ao Senado nessa quarta-feira (25).



Sarney contou que, àquela época, o projeto recebeu um parecer contrário do Ministério da Saúde, com a alegação de que não havia recursos. "Eu fui ao presidente da República [Fernando Henrique Cardoso] e disse que ele deveria sancionar o projeto. Se não o fizesse, eu trabalharia para derrubar o veto. Mas o presidente foi sensível e sancionou. Hoje essa política brasileira, que é referência mundial, decorre do princípio de tornar gratuita a distribuição destes medicamentos". O relatório da Organização Mundial de Saúde mostra ainda que o número de mortes provocadas pelo vírus da Aids caiu mais de 10% em todo o mundo.


http://www.oprogresso-ma.com.br/progresso1.html

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Déficit de esgoto e água é falta de investimento


O diretor operacional da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), Cristovam Dervalmar Teixeira Filho, afirmou ontem que o déficit no fornecimento de água e de coleta de esgoto em São Luís é fruto da falta de investimento da empresa nos últimos anos e que seriam necessários investimentos de, pelo menos, R$ 800 milhões para resolver o problema. Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgado terça-feira, dia 24, constatou que 42,03% dos moradores de São Luís não têm acesso à rede coletora de esgoto e outros 21,17% não têm abastecimento de água.

De acordo com Cristovam Filho, durante a primeira administração de Roseana Sarney (PMDB), foi elaborado um Plano Diretor de Saneamento, o qual não foi dado continuidade durante os governos de José Reinaldo Tavares (PSB) e Jackson Lago (PDT) e isso agravou um problema que já existia em São Luís. O Plano Diretor contemplava a construção de mais Estações de Tratamento de Esgoto (ETA), a implantação de redes coletora e interceptora de esgoto.

Em 2002 foi inaugurada a ETA do Jaracati e no ano seguinte a do Bacanga. Porém, nenhuma outra foi construída nos anos seqüentes e mesmo estas, que foram inauguradas, nunca funcionaram. "A Caema, no primeiro governo Roseana, fez todo o Plano Diretor para o sistema de esgotamento sanitário. Só que isso não se concretizou em sua plenitude. Os outros governos não deram continuidade (a implantação do Plano Diretor)", disse Cristovam Filho. "São investimentos na área de saneamento que não ocorreram nos últimos anos (a motivação para o grande déficit na rede de esgoto de São Luís)", ponderou.

Ainda no que diz respeito ao esgoto, a Caema espera amenizar o problema após as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), destinadas à ampliação do sistema de esgotamento sanitário, que estão sendo realizadas na região do Anil, Cohafuma e Alemanha. Nestas áreas, também devem ser construídas ETAs. A Caema também já iniciou a recuperação da ETA do Jaracati e está em via de iniciar a reforma da Estação do Bacanga.

Água - Sobre o déficit de abastecimento de água em São Luís, apontado pelo estudo da Fundação Getúlio Vargas, o diretor operacional admitiu que São Luís "vive um drama". "O Sistema Italuís, que está com 27 anos, precisa de intervenções. Precisamos fazer novos investimentos, aumentar nossa capacidade de produção (de água), combater o índice de desperdício de água (maior que 40%) e fazer a implantação de redes. Esse déficit, em torno de 22% que se fala, está ligado à falta de implantação de redes de água", analisou o diretor operacional da Caema.

Segundo Cristovam Filho, para amenizar os problemas com a falta de água em São Luís, a Caema está realizando a manutenção de poços, recuperando o sistema de abastecimento de água já existente e fazendo pequenas ampliações da rede. Cristovam Filho citou como exemplo a perfuração de poços no João Paulo e Parque Amazonas. "Depois que a Caema voltar a ter sua capacidade nominal de operação, vamos, a médio e longo prazos, partir para os investimentos que são necessários para se ampliar o sistema", disse.
http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/26/pagina165701.asp

domingo, 22 de novembro de 2009

Relatório lista desvios de Weverton Rocha

Marco Aurélio D’Eça

Da Editoria de Política

Orelatório preliminar do inquérito nº 010/2009, da Comissão de Investigação de Crimes contra o Erário Estadual (CICCEE), aponta os métodos utilizados pelo ex-secretário estadual de Esportes, Weverton Rocha (PDT), para lesar os cofres públicos em R$ 5,5 milhões em apenas uma de suas operações fraudulentas: a obra de restauração do Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís.

“O gestor Weverton Rocha, em evidente exemplo daquilo que jamais pode ocorrer na administração pública, determinou os pagamentos totais do contrato e do aditivo, encontrando-se ainda o Ginásio Costa Rodrigues em meio aos escombros”, destaca o relatório, encaminhado ao secretário de Segurança Pública, Raimundo Cutrim.

Além desta, há outras ações do ex-secretário investigadas. Ele também contratou sem licitação a Fundação Darcy Ribeiro (Fundar) e o Instituto Maranhense de Administração Municipal (Imam), utilizando o mesmo método usado no Ginásio Costa Rodrigues. Neste caso, os recursos são do ProjovemUrbano, verba federal. Por isso, o resultado do inquérito policial já foi transformado em processo na Justiça Federal.
De acordo com o relatório, o principal golpe de Weverton Rocha contra o erário começou a ser urdido em 26 de dezembro de 2008. Segundo a CICCEE, foi nessa data que ele firmou o contrato, sem licitação, com a Construtora Maresias LTDA., no valor de R$ 1.988.497,34, para reforma do Costa Rodrigues. “Na mesma sucessão de fatos criminosos contra o Erário Estadual, o gestor Weverton Rocha determinou que o pagamento do contrato fosse efetuado antes das obras serem executadas”, destaca o documento da polícia.

Em 1º de abril de 2009, Weverton Rocha firmou o termo aditivo de R$ 3.397.944,90, quase três vezes o valor original da obra. E também mandou que fosse pago antes mesmo do início das obras, com o ginásio já derrubado. Conclusão: Weverton Rocha assinou e aditivou o contrato e pagou todo o dinheiro à Construtora Maresias em um prazo de apenas quatro meses. E o Ginásio Costa Rodrigues é hoje só um vazio, em meio a escombros.

Weverton Rocha justifica a pressa na realização da obra e no desmonte do ginásio pelo fato de haver uma situação de emergência, “por causa do comprometimento na estrutura do prédio”.

O relatório da investigação do CICCEE não deixa dúvidas quanto à fragilidade deste argumento: “Essa justificativa não procede, pois transcorreram 159 dias entre a data do relatório do Crea-MA (que atestava o comprometimento) e a emissão da Ordem de Serviço, tempo suficiente para a realização de licitação na modalidade concorrência”.

Ilícitos - O inquérito policial que apura o caso está apenas na fase inicial. Mesmo assim, os investigadores não têm dúvidas quanto aos crimes cometidos por Weverton Rocha: “Já são vislumbradas, além da improbidade administrativa, que é patente, diversas outras condutas ilícitas, tais como: falsificação de documentos, contratação sem licitação, pagamento antecipado sem justificativa legal e formação de bando ou quadrilha”.

O atual secretário de Esporte e Juventude, Roberto Costa, informou que, apesar do prejuízo aos cofres públicos, o ginásio será reconstruído. No novo projeto, a quadra de esportes será ampliada e terá a medida oficial para jogos internacionais, piso com sistema de amortecimento, telhado termoacústico, oferecendo conforto técnico e sonoro e condições para climatização. “A nossa expectativa é de entregar aos jovens um ginásio moderno e preparado para realizar qualquer competição de nível nacional e internacional”, frisou ele.

Governo lançará edital de reconstrução do Costa Rodrigues


Roberto percorre ruínas do que um dia foi o Costa Rodrigues


O secretário de Estado de Esportes e Juventude, Roberto Costa, informou que o Governo do Estado divulgará, até dezembro próximo, o Edital de Licitação para a reconstrução do Ginásio Costa Rodrigues, localizado no Centro de São Luís. Ele disse que a pasta está realizando levantamento técnico com o objetivo de definir o orçamento para a realização da obra.

De acordo com o secretário, a Procuradoria-Geral do Estado já encaminhou à Polícia Civil pedido de abertura de inquéritos para apurar as irregularidades e exigir do ex-secretário Weverton Rocha a devolução dos R$ 5,2 milhões, pagos indevidamente por obras de reforma e reconstrução do ginásio durante sua gestão, e que até hoje não foram feitas pela empresa Maresias Construções, responsável pelos serviços. “A obra foi suspensa e está sendo providenciado o rompimento do contrato”, informou Roberto Costa.

Weverto Rocha autorizou, primeiramente, a liberação de cerca de R$ 2 milhões para a reforma do prédio. Depois, mais de R$ 3,3 milhões em forma de aditivo para a construção de um novo ginásio. No entanto, nada foi feito. Além disso, há provas de que houve super faturamento dos preços. O Ministério Público está apurando as responsabilidades e há inquérito policial que também averigua o caso.
Segundo o cronograma de irregularidades, em menos de três meses, de fevereiro a abril de 2009, o valor da obra foi pago integralmente, com direito a dois aditivos, sem que houvesse vistoria para averiguar o andamento e a conclusão dos serviços. A primeira parcela, no valor de R$ 1.125.076,26 foi quitada em 12 de fevereiro de 2009 e a segunda, somando R$ 709.975,62, foi paga em 27 de março de 2009. Houve um aditivo, de 3.397.944,90, pago em 1º de abril de 2009, sendo que cinco dias depois, em 6 de abril, foi feito o pagamento da última parcela (R$ 153.454,96) e de aditivo no valor de R$ 3.380.641,22.

Reconstrução

Roberto Costa informou que, apesar do prejuízo aos cofres públicos, o ginásio será reconstruído. No novo projeto, a quadra de esportes será ampliada e terá a medida oficial para jogos internacionais, piso com sistema de amortecimento, telhado termoacústico, oferecendo conforto técnico e sonoro e condições para climatização. “A nossa expectativa é de entregar aos jovens um ginásio moderno e preparado para realizar qualquer competição de nível nacional e internacional”, frisou.

A obra consiste na construção de novas arquibancadas, alojamentos, salas de administração, banheiros, implantação de um moderno sistema elétrico e hidráulico. As obras vão estar de acordo com as normas padrão, priorizando a acessibilidade, com rampas e outros equipamentos para cadeirantes e portadores de necessidades especiais.

Cronograma da fraude

25/11/2008 – Decretado estado de emergência para reforma do Costa Rodrigues

26/12/2008 – Firmado o contrato da reforma

02/01/2009 – Dada a ordem de serviço

12/02/2009 – 1º pagamento de R$ 1.125.076,26

27/03/2009 – 2º pagamento de R$ 709.975,62

01/04/2009 – Aditivo de R$ 3.397.944,90 para reconstrução do ginásio

06/04/2009 – Pagamento da última parcela da reforma (R$ 153.454,96) e de R$ 3.380.641,22 do aditivo da reconstrução.

http://colunas.imirante.com/decio/2009/11/22/governo-lancara-edital-de-reconstrucao-do-costa-rodrigues/

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Governo entrega chaves de 196 apartamentos do PAC-Rio Anil

Thamirys D'Eça

Da equipe de O Estado

Cerca de 196 famílias ludovicenses passaram a ter, desde a manhã de ontem, moradia própria. A oportunidade foi proporcionada pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC - Rio Anil), parceria entre Governo Federal e Governo do Estado, que sorteou e entregou, na ocasião, as chaves de apartamentos aos contemplados que residirão no Residencial Anil Camboa, no bairro Camboa. Os novos moradores receberão, ainda, um fogão, uma geladeira e um botijão de gás, além de ações permanentes, como oferta de cursos e oficinas de produção.

O sorteio foi realizado no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana. A entrega das chaves foi feita pelo secretário de Estado de Cidades e Desenvolvimento Urbano, Filuca Mendes, que considerou como um desafio a empreitada. "É uma obra emblemática, que não foi bem planejada, inicialmente, devido à falta de prioridades. Mas ainda é um privilégio poder compartilhar com essas famílias a felicidade de ter uma moradia digna. O atual governo se esforçou muito para isso e agora vemos o resultado", assinalou o secretário.

Para Gielson Raimundo Sousa, representante do comitê de acompanhamento das obras - eleito pela comunidade, tornando-se um dos responsáveis pela conversação com o Governo do Estado -, a entrega diferencia-se da realizada no primeiro semestre do ano, pela gestão anterior do Governo do Estado. "Agora, são 196 famílias que receberão. Na gestão passada, foram só 12 apartamentos na primeira etapa e 36, na segunda. Só temos a agradecer à governadora Roseana, porque isso sim é compromisso com o povo", considerou.

Conforme informou o secretário Filuca Mendes, a mudança das famílias ocorrerá no dia 25 e a inauguração no dia 27. Cada apartamento recebido tem uma área de 42 m² divididos em sala, banheiro, cozinha, dois quartos e lavanderia. Ao todo, são 18 blocos, com 16 apartamentos cada um. Ontem, foram entregues pelo menos 10 edificações.

Sorteio - Na entrega, foram sorteados primeiro os apartamentos do térreo, dando prioridade para deficientes físicos e pessoas com dificuldade de locomoção, como idosos. Posteriormente, foram liberadas as chaves dos outros apartamentos, também por sorteio. Após o recebimento, cada favorecido assinou um termo de ratificação da entrega.

Ainda na expectativa quanto ao sorteio, o servente de pedreiro Flávio Pereira, contou sobre a emoção do recebimento do apartamento. "Morávamos em palafita. Agora, estou ansioso para morar num lugar de verdade. Vai melhorar muito a nossa vida. Já posso até fazer planos com a minha esposa de ter filhos. Era tudo um grande sonho", comemorou.

Já a vendedora Selma Araújo não teve que ficar por muito tempo na expectativa da entrega do benefício. Ela foi uma das sorteadas para o Edifício Rosa, o primeiro a ser entregue. "Não tenho palavras para expressar minha felicidade. Morei mais de 10 anos em palafita e agora eu, meu marido e meus filhos teremos um lar decente. Vou poder até ficar mais tranqüila, porque antes morávamos num lugar perigoso, com risco de cair. Meus filhos, inclusive, já caíram da palafita, se machucaram e agora isso não vai mais acontecer", alegrou-se.

Como diferencial proporcionado pelo Governo do Estado, todos os beneficiados, inclusive os que já haviam recebido no primeiro semestre do ano a moradia, também foram agraciados com uma geladeira e um fogão, acompanhado de botijão de gás. A ação foi possível por meio de parceria entre a Secretaria de Cidades e a Companhia Energética do Maranhão (Cemar). "Não poderíamos ficar de fora de um projeto tão grande que beneficia tanta gente", disse Nonato Costa, engenheiro da Cemar.

Outro diferencial é que as moradas foram redimensionadas, com a construção também de boxes para comércio, levando em consideração que alguns residentes trabalham no ramo. Além disso, foi acoplado ao projeto um centro de convivência e quadra esportiva, com o objetivo de proporcionar lazer.

Mais

Os beneficiados com o PAC-Rio Anil também poderão contar com assistência contínua. O Governo do Estado, por meio do projeto “Novos Alicerces”, executado pelo Centro Integrado de Inclusão Produtiva, estipulou ações de assistência social, inclusão digital, cursos de qualificação profissional e empreendedora, formação de grupos de produção para geração de alternativas de renda e ocupação, consultorias, acesso gratuito à internet, orientação jurídica, núcleo de educação ambiental, oficinas de produção, núcleos de convivência de idosos, de valorização da mulher e do jovem empreendedor e núcleo de valorização da arte da cultura maranhense.

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/21/pagina165451.asp

Entidades pedem permanência da Fundação José Sarney no Desterro




Carla Melo

Da equipe de O Estado

Diante da possibilidade de que a Fundação José Sarney (localizada no Convento das Mercês,no Desterro) possa a vir a ser fechada, entidades sociais da área do Centro Histórico decidiram se mobilizar. Semana passada, representantes da União de Moradores do Centro Histórico, da Escola de Samba Flor do Samba e da Associação dos Trabalhadores Ambulantes do Centro Histórico entregaram ao senador José Sarney um abaixo-assinado com centenas de nomes, solicitando a desistência da extinção da entidade.

A manifestação de apoio surgiu depois que a imprensa nacional veiculou informações sobre um possível fechamento da entidade por falta de recursos financeiros. "Isso significaria um enorme prejuízo para o bairro e para o estado. Para o Maranhão, seria uma perda moral", disse o vice-presidente da Flor do Samba, André Campos.

Além de abrigar um dos acervos mais importantes do país, a Fundação José Sarney mantém um estreito relacionamento com a comunidade. Prova disso são os projetos sociais desenvolvidos pela entidade, entre os quais destaca-se a Escola de Música do Bom Menino do Convento das Mercês.


Eleição - No entanto, antes mesmo de receber o documento de apoio, integrantes da Fundação tomaram algumas providências. Com o objetivo de dar impulso à Fundação, foram eleitos, no início deste mês, um novo Conselho Curador e Fiscal, além do presidente. Para este último cargo foi escolhido o escritor, professor universitário e membro da Academia Maranhense de Letras, Joaquim Itapary. "Nesse momento, a Fundação José Sarney vem passando por dificuldades financeiras. As entidades públicas do estado não contribuem e o que recebemos vem de doações feitas por pessoas e empresas privadas", disse Itapary, que tomou posse dia 4 deste mês.

O Conselho Curador é composto por 14 membros, sendo três representantes dos fundadores; um representante da família do instituidor; um representante da Academia Brasileira de Letras; um representante da Academia Maranhense de Letras; três representantes dos mantenedores; três representantes dos colaboradores; um representante da Universidade Federal do Maranhão; e um representante do Governo do Estado. Já o Conselho Fiscal tem três integrantes efetivos e três suplentes.

De acordo com Joaquim Itapary, o orçamento mensal da Fundação José Sarney é de cerca de R$ 90 mil. "A folha de pagamento contém 27 funcionários, sendo que os salários giram em torno de R$ 600,00, mesmo os de nível superior", disse Itapary.

O presidente da entidade explicou também que uma de suas preocupações diz respeito às dívidas da entidades, hoje em torno dos R$ 94 mil. "São despesas relativas a energia, telefone, entre outras", frisou.

Itapary diz ainda que a própria Fundação poderia gerar parte de sua renda. Um exemplo é o prédio de propriedade da entidade e que está alugado para o Governo do Estado. "Mas, infelizmente, há pelo menos uns quatro anos o aluguel está atrasado. A Fundação já entrou na Justiça para tentar receber o dinheiro", salientou Itapary.

Líderes destacam relevância social e cultural da entidade

Atividades como “Vale Festejar” e projetos de prestação de assistência médica são apontadas como ações que beneficiam a área do Desterro e adjacências

O presidente da União de Moradores do Centro Histórico, Francinaldo Pinheiro Rodrigues, explicou que o abaixo-assinado estava pronto há alguns dias, mas que somente semana passada as entidades tiveram a chance de entregar, em mãos, ao senador José Sarney. "Fomos pegos de surpresa com essa notícia de que a Fundação seria fechada. Logo nos preocupamos e foi muito fácil conseguir as assinaturas. Em dois dias, já tínhamos centenas", disse ele.

O líder comunitário destaca ainda que a comunidade tem consciência da importância da Fundação José Sarney para o bairro e áreas adjacentes. "Aqui temos uma vida social, cultural e econômica ligadas à entidade", afirmou. "Além do mais, sempre tivemos uma ótima convivência com a Fundação, que manteve suas portas abertas às nossas necessidades", completou Francinaldo Rodrigues.

A mesma opinião é compartilhada pelo presidente da Associação dos Trabalhadores Ambulantes do Centro Histórico, José Rodrigo de Sousa. "A Fundação nos traz renda, mobiliza a gente em eventos como o ‘Vale Festejar’, por exemplo. Além disso, traz cultura para a comunidade e ajuda com projetos sociais como as consultas médicas que eles colocavam à disposição da nossa comunidade e que beneficiava muita gente não só do Desterro, mas de toda a área do Centro Histórico", enfatizou.

Já o vice-presidente da Flor do Samba, André Campos, destacou o aspecto cultural, que, na opinião dele, sempre foi muito valorizado pela Fundação. "Vale lembrar a importância do acervo para o Brasil inteiro e que deve permanecer aqui. Gostaria que outras entidades da sociedade civil percebessem a importância da Fundação José Sarney e também viesse apoiá-la", disse.

Mais

- O Convento das Mercês, sede da Fundação José Sareny, foi inaugurado pelo Padre Antônio Vieira em 1654, com o “Sermão de São Pedro Nolasco”;

- A Fundação José Sarney, fundada em 1º de fevereiro de 1990, abriga um acervo textual e museológico com mais de 500 mil documentos e peças;

- Antes de abrigar a Fundação, o Convento das Mercês foi seminário, casa de estudo de latim, grego e filosofia. Foi também quartel de polícia, posto de saúde e sede do Corpo de Bombeiros.

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/21/pagina165455.asp

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Passageiros desconhecidos tiveram passagens aéreas pagas pelo governo Jackson

Marco Aurélio D'Eça

Da editoria de Política

Pelo menos R$ 175,5 mil foram gastos pela Casa Civil no governo cassado de Jackson Lago (PDT) em fretamento de aeronaves para viagens aéreas cujos passageiros não constam dos relatórios de vôos. Foram nove viagens, entre abril e dezembro de 2008, com pessoas não identificadas, que viajaram para o interior do Maranhão e para fora do estado. As informações constam do relatório da Comissão de Investigação de Crimes Contra o Erário Estadual (CICCEE).

De acordo com o relatório, entre os vôos do próprio chefe da Casa Civil, Aderson Lago (PSDB), os com passageiros não identificados e os que foram usados por aliados do governador Jackson Lago – José Reinaldo, Julião Amin, Carlos Brandão e Roberto Rocha, principalmente – custaram, apenas naquele período, R$ 3,4 milhões.

“O gestor da Casa Civil, senhor Aderson Lago, e seus assessores, apostando na impunidade, sequer tiveram o cuidado de, no relatório de vôo, fazerem constar os nomes dos passageiros a serviço de quem as aeronaves foram fretadas, nem as finalidades dessas viagens”, diz o documento da comissão.

Só para Barreirinhas foram três viagens sem passageiros informados. No dia 16 de maio de 2008, uma aeronave da Heringer Táxi Aéreo deixou São Luís por volta das 8h com destino à cidade, considerada pólo turístico do Maranhão. Retornou por volta das 17h por um custo total de R$ 7.194,00. No mesmo dia, outra aeronave da Heringer partiu às 9h, retornando às 17h. O mesmo destino saiu pela metade do preço: R$ 3.597,00.
A outra viagem para Barreirinhas ocorreu em dezembro de 2008 – o relatório não especifica o dia. Um avião saiu de São Luís às 8h e voltou às 12h. Custo: R$ 4.601,00. Também não há informação sobre passageiros.

Imperatriz - Também em dezembro de 2008 duas aeronaves saíram quase no mesmo horário para Imperatriz. A primeira alçou vôo às 7h30. Meia hora depois, a segunda também partiu. A primeira voltou ao meio-dia e a segunda às 15h. Pelos vôos, a Casa Civil pagou R$ 21.070,00 sem que se saiba quem utilizou as aeronaves.

A lista de vôos com passageiros “fantasmas” cujo pagamento foi autorizado por Aderson Lago inclui ainda duas viagens para Teresina (PI), ao custo de R$ 7.194,00 e R$ 8.547,00, respectivamente. Os aviões foram ainda para o município de Pastos Bons, num vôo de sete horas que custou aos cofres públicos estaduais mais R$ 19.092,00.

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/19/pagina165319.asp

Mudança na Constituição Estadual é aprovada

19/11/2009
A Assembléia Legislativa aprovou ontem, por unanimidade, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que atualiza o texto da Carta Magna maranhense, adequando-a ao que estabelece a Constituição Federal. No total, a comissão que realizou o trabalho de atualização alterou 38 artigos, 50 parágrafos, 12 alíneas. O projeto foi coordenado pelos deputados Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Joaquim Haickel (PMDB).

“Tratei deste assunto no meu segundo pronunciamento como parlamentar. Apresentei uma PEC em 2007. Depois, Joaquim propôs a criação da comissão da qual eu fui o relator, o que resultou na PEC aprovada na Assembléia”, explicou Pereira Júnior.
Além dele e de Joaquim Haickel - que foi o presidente -, a comissão teve a participação dos deputados Chico Gomes (DEM), Marcelo Tavares (PSB), Pedro Veloso (PDT), Penaldon Jorge (PSC) e Victor Mendes. Como a proposta recebeu emendas, foi à redação final antes de ser promulgada pela Mesa Diretora.

Adequação - Para Joaquim Haickel, a atualização se fazia necessária para tirar do limbo o texto constitucional maranhense. “E o período foi o mais adequado, já que realizado exatamente no ano em que a nossa Constituição completa 20 anos”, declarou.

Dentro das atualizações feitas pela comissão especial foi revogado o artigo 55, que vetava o dispositivo da reeleição para governadores, fato que já é regra no país desde 1996. Os artigos relacionados ao Poder Judiciário e ao Ministério Público foram alterados para adequá-los ao texto decorrente da Reforma do Judiciário, estabelecida na Emenda Constitucional 45/04.

Outro assunto polêmico tratado na adequação do texto constitucional foi a autonomia funcional e administrativa da Defensoria Pública, fato que gerou muito debate político na Assembléia Legislativa durante o governo Jackson Lago (PDT).

http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/19/pagina165321.asp

PIB maranhense foi o que mais cresceu no Nordeste


O Produto Interno Bruto (PIB) do Maranhão - soma de todas as riquezas produzidas pelo estado – atingiu R$ 31,606 bilhões em 2007, representando um crescimento real de 9,1%, segunda maior variação no país e primeira no Nordeste. Os números do PIB foram divulgados ontem pela Secretaria de Planejamento e Orçamento, pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O valor do PIB maranhense, na série 2002-2007, dobrou em cinco anos. Em 2002, somava R$ 15,449 bilhões. Em relação a 2006, houve um incremento de R$ 2,986 bilhões, resultado gerado pela dinâmica da economia, especialmente pelo setor privado.

Para o secretário de Planejamento e Orçamento, Gastão Vieira, o aumento do PIB estadual é uma demonstração clara de que o Maranhão está em pleno momento de crescimento, é um estado viável e soube aproveitar as oportunidades antes da crise financeira.

“O Maranhão é um estado viável. Ficou em segundo lugar em crescimento do PIB em relação aos demais estados brasileiros. Este avanço demonstra que o estado tem um dinamismo próprio, levando em consideração que recebeu pequenos investimentos nos últimos dois governos. A proposta é aumentar a participação do Governo do Estado em ações que se refletirão nos próximos levantamentos”, afirmou o secretário.

Segundo Gastão Vieira, a perspectiva é de que o Maranhão alcance índices ainda maiores de crescimento nos próximos anos, tendo em vista os grandes projetos em instalação no estado e a política de investimentos públicos que está sendo empreendida pela governadora Roseana Sarney.

Atividades - As atividades que mais contribuíram para o crescimento do PIB estadual foram a mínero-metalurgia e o agronegócio, a exemplo da produção de ferro-gusa, alumina calcinada, alumínio não ligado, liga de alumínio e soja, que tiveram importante participação na pauta exportadora do Maranhão em 2007.

De acordo com os dados divulgados ontem, o Maranhão só foi superado em termos de crescimento do PIB por Mato Grosso (11,4%). No entanto, o estado teve desempenho melhor que grandes economias do país, como o Espírito Santo, que cresceu 7,8% (3ª maior variação), São Paulo (7,4%) e Mato Grosso do Sul (7%).
Apesar do crescimento, a participação do estado no Produto Interno Bruto nacional é de apenas 1,19%, número que representou uma queda em relação a 2006, quando o Maranhão respondia por 1,21% do PIB do país.

O crescimento do PIB para R$ 31,606 bilhões também não foi suficiente para melhorar a posição do estado no ranking que desde 2004 mantém-se em 16º lugar.

O chefe da unidade do IBGE/MA, Marcelo Melo, destacou que o crescimento do PIB maranhense ficou acima da média brasileira, mas ressalta que esse crescimento é setorial. “Especialmente a agropecuária, que apresenta um número bastante significativo”, explicou.

Per capita – O PIB per capita do Maranhão, embora tenha saltado de R$ 4.627,71 em 2006 para R$ 5.165,23 em 2007, ainda ocupa a penúltima posição entre todos os estados, segundo informou o diretor de estudos e pesquisas do Imesc, Sadick Nahuz.

De 2002 a 2007, enquanto a variação nominal acumulada do PIB per capita do Brasil cresceu 57,8% e no Nordeste 58,3%, o Maranhão se destacou com aumento de 72,1%. O ano de 2007, no entanto, foi o único período da série em que o crescimento do PIB per capita do estado (11,6%) foi menor que o do Nordeste (12,0%) e o do Brasil (14,0%).

Serviços têm a maior participação no índice

O PIB do Maranhão tem no setor de serviços a maior participação, com um valor adicionado bruto de 63,5%. Em seguida, vem a atividade agropecuária, que responde por 18,6% do PIB estadual e o segmento industrial, com 17,9%.

Das três atividades, a agropecuária foi a única que evoluiu em 2007, comparado a 2006, saltando de uma participação de 16,6% para 18,6%. O avanço é atribuído aos desempenhos da silvicultura e exploração florestal e pelo cultivo da soja, cujos crescimentos foram de 38,8% e 12,4%, respectivamente.

A atividade de silvicultura e exploração florestal registrou expansão das matas plantadas de eucaliptos e da produção de carvão vegetal em 54,3%. A soja obteve um crescimento de 32,5% em volume.

Esse crescimento da silvicultura e da exploração florestal em detrimento de outras atividades, preocupa o presidente do Imesc, Fernado Barreto. “Essa exploração pode trazer problemas no futuro”, disse, referindo-se à questão ambiental.

O setor industrial, apesar do crescimento de 12,4%, registrou queda na participação do PIB, saindo de 19,6% em 2006 para 17,9% em 2007. O resultado positivo em crescimento em volume foi influenciado pela indústria extrativa mineral, serviços industriais de utilidade pública (distribuição de água, luz, limpeza urbana) e construção civil.

A atividade de serviços teve o crescimento em volume influenciado pela atividade de comércio e serviços de manutenção e reparação, atividades imobiliárias de aluguel, transporte, armazenagem e correios.

PIB


Calculado pelos órgãos de estatísticas estaduais em parceria com o IBGE e divulgado simultaneamente em todas as unidades da federação, o PIB apresenta dois anos de defasagem porque os cálculos se baseiam em pesquisas estruturais que só são disponibilizadas dois anos após o ano de referência.


http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/19/pagina165293.asp

Se mudar é tao bom porque o Piauí que muda sempre mantém índices tão vergonhosos?

História


Para quem se apega pouco aos fatos políticos: no Piauí, através do voto popular, nenhum esquema político permaneceu no governo por mais de oito anos consecutivos.

Diferente de outros Estados pequenos do Nordeste, o povo daqui gosta de mudanças.

Arrumação

Já ocorreu muitas vezes de os políticos arrumarem muito bem o quadro sucessório, parecendo impossível de ser vencido, e o povo surge desmanchando tudo na urna.

http://www.guiademidia.com.br/acessar_jornal.htm?http://www.portalaz.com.br

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Ex-prefeita de Alcântara, ex-presidente do Sinduscon e mais 19 presos na “Operação Orthoptera”

A ex-prefeita de Alcântara Heloísa Leitão, o ex-presidente do Sinduscon (Sindicato da Construção Civil) José Orlando Soares Leite Filho e mais 19 pessoas foram presas hoje pela manhã pela Polícia Federal, de um total de 24 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal.




A PF e a CGU (Controladoria Geral da União) desenvolvem a Operação Orthoptera, classe de insetos dos quais fazem parte os gafanhotos. Segundo o chefe da operação, delegado Pedro Meirelles, a ação recebeu este nome porque os acusados “agiam em bando, destruiam tudo e iam embora”.



A ex-prefeita é acusada de desvio de R$ 5,1 milhões oriundos de convênios federais somente no ano de 2008. Meirelles disse que alguns dos presos podem ser liberados após os depoimentos se ficar entendido que a prisão deles não se faz mas necessária. A CGU e PF vão falar dentro de alguns instantes e à tarde em coletiva de imprensa.



O ex-presidente do Sinduscon é acusado de montar uma empresa fantasma em nome de uma empregada doméstica para participar do esquema. A firma recebeu pelo menos R$ 900 mil de recursos desviados da Prefeitura de Alcântara (veja aqui).



Como Heloísa Leitão e Orlando Leite são advogados, o candidato a presidente da OAB Roberto Feitosa e membros da comissão de prerrogatidas da entidade estiveram na sede da PF para garantir os direitos dos dois.



A relação dos presos ainda não foi divulgada, mas o blog apurou que um cidadão de nome José Carlos Garcia e o dono da empresa C.A Moraes, o empresário identificado apenas por Moraes, estão entre detidos.


http://colunas.imirante.com/decio/2009/11/17/operacao-orthoptera-o-contrato-da-propina/

“Operação Orthoptera”: veja a lista dos envolvidos




ter, 17/11/09por Décio Sá
categoria Operações da PF
tags Justiça Federal, mandado, prisão

A Polícia Federal conseguiu cumprir até agora apenas 21 mandados, entre prisão temporária e condução coercitiva, dos 24 expedidos pela Justiça Feeral há duas semanas. Três acusados estão desaparecidos: Washington Charles Aragão, Maria Genir Pimentel de Sousa e Paulo Leitão Machado. Os três são considerados foragidos.



Foram cumpridos todos os 17 mandados de arresto e os 17 de busca e apreensão. Três carros foram apreendidos: um Vectra, uma Frontier e um Honda.



Quem foi conduzido coercitivamente pode ser liberado após os depoimentos. Abaixo, a lista. que traz em vermelho os acusados considerados foragidos.



Prisão temporária:

Ronaldo de Amorim Plácido – ex-secretário de Finanças

José do Vale Silva Júnior – proprietário da empresa J.V Silva Júnior, montava os contratos

Dilma Maria da Silva – irmã de José do Vale

Antônia Hiêda Vieira dos Santos – esposa de José do Vale

Ludmila do Socorro Silva – irmã de José do Vale

José Carlos Garcia Ribeiro

Washington Charles Aragão

Carlos Augusto Morais – advogado

Heloísa Helena Franco Leitão – ex-prefeita e advogada

José Orlando Soares Leite Filho – advogado

Ronilson Alves de Jesus – dono da empresa R. Alves



Condução coercitiva:

José Ribamar Moraes Sobrinho

Lindinaldo dos Santos Costa

Maria Genir Pimentel de Sousa – proprietária da MGP de Sousa Comércio e Serviços

Júlio Cezar Pereira Campos

Paulo Leitão Machado

Evandro Chear Hiluy

Renilson de Abreu Silva

Zanael Lima Fernandes

Raimunda Leudas Costa

José Honorato Serejo Filho

Antonio Raimundo França Pinho

José da Ascenção Sá Silva

Valdelice Sá Silva


http://colunas.imirante.com/decio/2009/11/17/operacao-orthoptera-veja-a-lista-dos-envolvidos/

Governo do Estado inicia pavimentação da MA-325


SÃO LUÍS - O secretário de Estado da Infraestrutura, Max Barros, esteve nesta terça-feira (17) na região do Baixo Parnaíba, onde assinou a ordem de serviço para pavimentação do trecho de 11 km da MA-325, entre Urbano Santos e Belágua. As obras de terraplenagem já foram iniciadas. O investimento é de cerca de R$ 5,6 milhões e as obras devem ser concluídas em 90 dias.

Durante a solenidade, o secretário Max Barros lembrou o isolamento da cidade de Belágua por conta das péssimas condições da estrada, única porta de saída da cidade para o resto do estado. Ele também ressaltou a importância do asfalto para facilitar o escoamento da produção do município via Urbano Santos.

“É uma satisfação representar a governadora Roseana Sarney neste momento, pois, agora sim, pode-se dizer que a cidade de Belágua está ligada ao resto do Maranhão. Nós vamos assinar a ordem de serviço com o compromisso não só de trazer o asfalto, mas trazer com qualidade de vida a seus moradores”, afirmou Barros.

O prefeito Adalberto Rodrigues, de Belágua, agradeceu a iniciativa do Governo do Estado - que lançou o Programa Viva Infraestrutura em julho e já tem obras em mais de 20 trechos - e destacou a obra como “a realização de um sonho de toda a região”.

“Essa estrada, para nós, é algo inusitado. É um sonho que a gente pensava que nunca iria realizar. Mas ela está aí, graças à vontade política do secretário Max Barros e da governadora Roseana Sarney”, ressaltou.
Para o prefeito Abnadab Léda, de Urbano Santos, os ganhos para a agricultura local serão o principal benefício trazido pela estrada. Ele acredita que o escoamento da produção agrícola ficará mais facilitado, trazendo melhorias para as condições de vida dos trabalhadores rurais.

“É uma estrada muito importante para os dois municípios, mas, sobretudo, para Belágua, porque, além de tirá-la do isolamento, vai facilitar, e muito, o escoamento da produção agrícola da cidade’, avaliou.

Satisfação

Os moradores das duas cidades reconhecem o valor da obra e se dizem satisfeitos com o atendimento a uma reivindicação antiga. O pedreiro José Raimundo do Vale diz que mora em Belágua, mas trabalha em Urbano Santos. Ele enfrenta todos os dias os 11 km de terra, com muito estresse.

"O asfaltamento da estrada era um sonho. Quando estava na buraqueira o estresse era muito grande: chegava em casa já cansado de tão ruim que era a estrada. Agora, só com as máquinas raspando, já está melhorando bastante. Depois que chegar o asfalto, então, vai ficar 100%", comentou.

Na opinião da lavradora Maria Sônia Simão, moradora do povoado Estiva, “o Governo do Estado acertou em cheio o sonho da população”.

E ela complementou: “Agora vai acabar o sacolejo nas viagens que a gente faz pra Urbano Santos. Eu estou muito feliz, muito feliz mesmo”, declarou.
As informações são da Secom

http://imirante.globo.com/noticias/pagina222252.shtml

sábado, 14 de novembro de 2009

Fantasmas de volta

Quem apostou que o escândalo das estradas fantasmas, ocorrido no governo de José Reinaldo Tavares (PSB), continuaria esquecido ou viraria peça abandonada do arquivo morto do Poder Judiciário enganou-se redondamente. Seis anos depois de revelada por Veja, esmiuçada por O Estado - que comprovou e registrou tudo -, apurada pelo Ministério Público e denunciada à Justiça, a escandalosa falcatrua caminha para um desfecho. Na semana passada, depois de ser rejeitado por vários magistrados - que se deram por impedidos -, o pacote contendo a fantasmagoria rodoviária chegou à 2ª Vara Criminal, que tem como titular o juiz Ronaldo Maciel. Para quem não se lembra, o escândalo consistiu num esquema de corrupção em que o governo de então “projetou”, “construiu”, “atestou”, pagou (caro!) e até “inaugurou” estradas que nunca saíram do papel, a começar pelo fato de que “ligariam” povoados que simplesmente não existem. O caso foi denunciado por Veja no início de 2004 e inteiramente confirmado por O Estado naquele ano, em cobertura sem precedentes na imprensa do Maranhão. O Ministério Público entrou em campo, apertou os envolvidos e, após exaustivo e longo trabalho de investigação, confirmou toda a falcatrua e fez a denúncia à Justiça. Na época, o então governador José Reinaldo fez malabarismo midiático para primeiro negar, depois minimizar o escândalo. Principalmente porque o esquema foi comandado pelo seu ex-cunhado e homem da sua inteira confiança, engenheiro João Dominici, secretário estadual de Infraestrutura. Na execução da falcatrua, uma série de empresas de construção civil, entre elas a Petra, do Grupo Lourival Parente, que “construiu” a maioria das estradas fantasmas, tendo recebido pagamentos, todos engordados por aditivos, sem que um palmo de estrada tivesse sido, de fato, construído. Ao desembarcar na 2ª Vara Criminal da comarca da capital, os processos agora caminham para um desfecho em breve. Isso porque o titular da 2ª Vara Criminal, juiz Ronaldo Maciel, tem um histórico de ojeriza à corrupção, o que sugere a conclusão de que os responsáveis pela fantasmagoria rodoviária derraparam e caíram em maus lençóis. Vale aguardar.


http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/15/estadomaior.asp

Governo estadual está concluindo obra da ponte sobre Rio Tocantins


João Rodrigues




Da Editoria de Estado
Imperatriz - Começou a contagem regressiva para a conclusão das obras de construção da ponte sobre o rio Tocantins executadas pelo Governo do Estado com modesta participação do governo tocantinense. A construtora Constran, responsável pelos serviços, anunciou que trabalha com a possibilidade de concluir as obras até o dia 20 deste mês e a expectativa é de que até o dia 1º de dezembro a governadora Roseana Sarney entregue a ponte à população.

A ponte (ainda sem nome oficial), que interliga Imperatriz, no sudoeste do Maranhão, a São Miguel, no estado do Tocantins, na região do Bico do Papagaio, é um dos maiores empreendimentos realizados pelo governo maranhense e sua conclusão faz parte de um pacote de ações que vem sendo desenvolvido pelo Executivo estadual.

As obras de construção da ponte tiveram início em outubro de 2007 e chegaram até a serem inauguradas pelo então governador Jackson Lago, mesmo sem condições de tráfego.

Continuidade - Ao assumir o Governo do Estado por determinação da Justiça Eleitoral, a governadora Roseana Sarney deu continuidade às obras que somente agora estão chegando ao fim. Naquela época, faltavam correções e melhorias cruciais na ponte, como o acesso da BR-010 até a cabeceira da edificação, além de medidas, como o pagamento de indenizações de pelo menos um imóvel, que foi retirado da área para construção da ponte.

Em visita recente à cidade para vistoriar as obras, o secretário de Infra-Estrutura, Max Barros, avaliou que existiam muitas pendências deixadas pelo governo anterior, que foram solucionadas, como a colocação de uma junta de dilatação para que as lajes da ponte não ficassem se atritando; o recapeamento asfáltico e o acesso da cabeceira até a BR-010 na saída da cidade, sentido Porto Franco.

O secretário ressaltou que a obra tem uma importância muito grande como fator de desenvolvimento econômico de Imperatriz e região. O acesso que está em fase de conclusão mede 2,6 km e para fazê-lo, o Governo do Estado teve de aterrar uma área e construir uma ponte sobre o riacho Cacau.

Asfaltamento - De acordo com dados fornecidos pelos engenheiros Marcos Vinícios Bortsatto e Thais Vieira na semana passada, já foi concluído o asfaltamento das vias, rotatória e paisagismo. Atualmente, operários de uma empresa terceirizada fazem o acostamento e a sinalização vertical e horizontal, como placas e faixas e os sinalizadores conhecidos como “olho de gato”.
O secretário Extraordinário do Sul do Maranhão, Adhemar Freitas, ressaltou que a ponte ganhará, ainda, iluminação especial, que ele definiu como iluminação artística. Ele informou que o posteamento para a iluminação pública está em andamento.

“Além de interligar os dois estados, a ponte vai facilitar o acesso do povo do Tocantins a Imperatriz. Essa ponte vai fortalecer a economia de Imperatriz em função de que haverá fluxo maior de transporte e de produtos, sem falar que é uma obra que será o cartão-postal de Imperatriz”, ressaltou Adhemar Freitas. Ele também destacou que as obras da ponte sofreram correções e ganharam melhorias no governo Roseana Sarney.

Em nota oficial, a Secretaria Extraordinária do Sul do Maranhão disse que as obras da ponte consumiram R$ 98 milhões e exigiram, pelo menos, mais R$12 milhões para as vias de acesso e uma ponte intermediária sobre o riacho Cacau. Além disso, um valor ainda não estimado foi gasto em indenizações que deixaram de ser feitas no governo anterior.

A previsão é que, ao entrar em funcionamento, mais de 6 mil veículos passarão por dia pelos acessos e sobre a ponte sobre o Rio Tocantins, que liga os estados do Maranhão e Tocantins.

Movimentação - O Estado percorreu o setor de maior movimentação no Porto das Balsas em busca de depoimentos das pessoas que trabalhavam naquela área. Comerciantes, taxistas e proprietários de vans se mostraram preocupados com o futuro pós-inauguração da ponte sobre o Rio Tocantins.

“Agora vamos ter que aguardar o que o presidente da nossa associação (Juscelino Pereira da Silva) vai dizer. Tem uma ação da Jamjoy contra a gente. Eles alegam que carregamos passageiros dentro do Maranhão e agora vai ficar mais difícil para nós. Vamos ver o que vai ser resolvido”, disse Adilson Pereira da Costa, dono de van.

O motorista adiantou que os “vanzeiros” pleiteiam um posto nas imediações da cabeceira da ponte no lado maranhense. Ao todo, 41 vans fazem ponto no Porto das Balsas. O motorista de van Valdemar Cordeiro da Silva disse que atua no Porto das Balsas há mais 16 anos e também torce para um novo ponto. “Precisamos que arranjem outro lugar para nós”, solicitou o motorista.

O comerciante João Vital [João do Coco], que mantém um estabelecimento comercial na rua Luís Domingues há 25 anos, já tomou uma decisão: vai tentar levar a loja para outro local. Segundo ele, com a ponte, o posto fiscal vai mudar de endereço e todas as atenções vão se voltar para a ponte.

“Eu vou procurar um outro lugar para mudar porque aqui não vai dar”, disse o comerciante.

Estrutura

- Comprimento da ponte sobre o Rio Tocantins: 1.020m

- Tabuleiro de 16m, sendo duas pistas de 4,95m e dois passeios de 3,05m
- Mastros dos estais: 60m

- 85 vigas pré-moldadas e protendidas, 40 de lado do Maranhão e 45 do lado do Tocantins

- 21 Apoios

- 20 vãos

- Vão central navegável: 140m

- Vão adjacentes: 60m

- Demais vãos: 45m
- Volume de concreto: 22.000m³

- Peso de aço: 2.500t

- Fundação em estaca escavada, 94 estacas, totalizando 2.900m em estacas

- Volume de concreto nas estacas: 5.000m³

- Peso do aço nas estacas: 275.000kg

- Ponte sobre o rio Cacau: 90m

- Extensão do acesso a BR-010: 2,6 quilômetros

- Volume de aterro: 500.000m³

- 88 estatais
Balsas vão deixar de trafegar

Depois de mais de 20 anos, a operadora na travessia do rio Tocantins entre Imperatriz e São Miguel (TO), a empresa Pipes, cujas letras representam as iniciais do nome de seu proprietário, anunciou que deixará o município logo que a ponte entrar em atividade.

O gerente da empresa, Jaime Fonseca, disse que ainda vai deixar uma balsa trafegando pelo rio por uma semana para testar a reação das pessoas, mas está certo que terá mesmo de trocar o município por outro onde for possível operar.

No geral, a empresa Pedro Iran Pereira do Espírito Santos (Pipes) emprega quase 2 mil funcionários em mais de 60 portos do país, mas em Imperatriz são 65 trabalhadores, que já assinaram aviso prévio. “De repente pode ser que se aproveite alguns em outros portos. A gente vai tentar ajudar esse pessoal, mas a grande maioria vai ficar desempregada mesmo”, sentenciou o gerente.

Jaime Fonseca disse que, ao deixar Imperatriz, a Pipes ainda não tem um local para atuar, mas isso não preocupa a direção da empresa. “Isso não é problema porque o planeta Terra é composto por um terço de água, então há muita opção para embarcações. Estamos escolhendo o que é melhor para a gente”, frisou o gerente.

O gerente reconheceu que a construção da ponte é um avanço muito grande para o município. “O Governo do Maranhão não fez ponte só para os maranhenses, essa ponte vai beneficiar o povo do Tocantins também”, avaliou o gerente da Pipes.

O funcionário da Pipes, Raimundo Nonato Pereira da Silva, assinou recentemente o aviso prévio. Ele disse que perderá o emprego de dois anos, mas compreende que o município terá maior desenvolvimento.
http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2009/11/15/pagina165064.asp

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Zé Reinaldo, Honorável Bandido

Honorável Bandido.

Visitando um Blog deparei com as duas fotos abaixo que bem representam o que acontece na política maranhense. O Zé Reinaldo, ex- quase tudo, de Secretario de Estado, Diretor da Novacap, Presidente do DNOCS, passando por Superintendente da SUDENE, Ministro dos Transportes, Deputado Federal, e acabando Vice e depois Governador do Maranhão, tudo isso graças ao Zé Sarney, no lançamento do livro caça-níquel do oportunista jornalista Palmério Dória.

Com toda certeza Zé Reinaldo deve constar desse livro do Palmério, pois ele estava com o Sarney durante quase todo o tempo de sua vida, os dois eram unha e carne! Se ele não for um dos personagens principais desse livro é porque esse livro é exatamente o que eu imaginava: uma forma esperta do tal jornalista ganhar um dinheirinho à custa dos desavisados ou dos muito avisados que dizem, até pagaram para ele fazer o livro.

O ex-governador José Reinaldo Tavares discursa na cerimônia de lançamento do livro de Palmério Dória em São Luís



Ao lado de Bira do Pindaré, o ex-governador José Reinaldo Tavares no lançamento do livro de Palmério Dória em São Luís

A covardia de Jackson, Zé Reinaldo e Dutra


Jackson está bem no cantinho (protegido)assistindo agressão


Ainda repercute a agressão sofrida pelos estudantes semana passada no Sindicato do Bancários. O que mais me impressionou após ver as imagens e fotos da confusão foi a covardia dos ex-governadores Jackson Lago (PDT) e José Reinaldo (PSB), do deputado Domingos Dutra (PT) e de gente como Haroldo Sabóia, um ex-deputado federal.

Na foto ao lado Jackson mostra sua verdadeira face. Ele aparece com a tradicional camisa azul bem no canto esquerdo assistindo meio perplexo seus aliados agredirem os estudantes que fizeram um protesto no local.

Pode-se falar o que quiser dos manifestantes, mas a reação dos ex-governistas foi desmedida. Mulheres e menores foram simplesmente espancados com cadeiradas, chutes, e murros. Ao final, todos comemoram a agressão.

Dutra ainda aparece segurando a bolsa e a identidade da presidente da Fesma (Federação dos Estudantes Secundaristas do Maranhão), Ana Paula Ribeiro, que o denunciou junto com o “balaio” Márcio Jardim na Delegacia da Mulher. No alto de suas autoridades Jackson, José Reinaldo e Dutra, no mínimo, deveriam conter o ânimo agressivo dos seus aliados.

Durante o governo passado foram vários os casos de violência praticados por essa mesma turma. Só para lembrar: Jackson mandou invadir a Rádio Timbira com o uso da polícia, enquanto uma equipe da TV Mirante apanhou dentro do Palácio dos Leões após um discurso inflamado do pedetista contra os profissionais. Eles foram salvos pela polícia. O governo cassado usou até a cavalaria contra os professores em greve em Imperatriz.

Note que contra esse pessoal ninguém pode se manifestar ou protestar. Só eles têm esse direito. Quem ousar desafiá-los, tem como resposta a chibata. As imagens abaixo não mentem. Clique e veja:


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Jornal Hoje: “Máfia da Madeira” desviou meio bilhão durante os governos Jackson e Zé Reinaldo



O quartel general do crime contra o meio ambiente era dentro da própria secretaria estadual. Segundo a denúncia do Ministério Público funcionários invadiram o prédio, destruíram câmeras de segurança. Arrombaram portas e roubaram computadores. Uma vigilante do prédio que anotou tudo num livro contou em depoimento que recebeu propina para ficar quieta e sumir com as anotações.

Vigilante: Olha, Rosimary, não aconteceu nada demais, esquece isso! E veio logo com um bolozinho e botou aqui no meu bolso.

Promotor: De quê?

Vigilante: De dinheiro.

Promotor: Tinha quanto?

Vigilante: Mil reais.

Os equipamentos foram levados da secretaria para outro prédio, onde a ex-secretária de Meio Ambiente, Telma Travincas, tem uma sala comercial. O plano só não foi perfeito porque o edifício também tem sistema de câmeras que flagraram um movimento intenso. Nas imagens a ex-secretária, a chefe de gabinete e até um deputado federal, irmão de Telma Travincas aparecem entrando e saindo do prédio. Segundo a denúncia dos promotores, ali eles tiraram a memória dos equipamentos com a ajuda de um técnico em informática.

Em depoimento no Ministério Público o funcionário diz que recebeu uma recomendação da então secretária, ao final do trabalho. “Você não tá vendo nada. Você não ouviu nada”.

O Ministério Público acredita que a ação foi feita para apagar transações suspeitas entre a secretaria de Meio Ambiente, donos de serraria, madeireiras e donos de cerâmicas. O caso está agora na justiça. Três pessoas foram denunciadas, incluindo a ex-secretária de meio ambiente, Telma Travincas. Outra investigação descobriu uma fraude na extração da madeira no Maranhão. As operações ilegais podem ter movimentado quase meio bilhão de reais. De toda madeira extraída no estado, 57% tinham documentos falsos.

Piratas da internet invadiam o sistema do Governo Federal que emite as notas e controla o estoque, a venda e transporte da madeira. Depois criaram uma espécie de crédito virtual em nome de madeireiros, assim era possível legalizar o esquema. “Eles criaram uma floresta virtual de ipê roxo no Maranhão, o ipê roxo não é nativo daqui, é nativo do Pará e da Amazônia… Se for computar todo o volume de ipê que lançaram nas contas daria para desmatar a Floresta Amazônica quase toda…”, declara Paulo Roberto, delegado.

A polícia monitorou, com autorização da Justiça, as conversas que revelam uma rede de informação. Os bandidos sabiam até os passos que seriam dados pela Polícia Federal.

Madeireiro 1: “Eu acho que hoje e amanhã eles não vêm pra cá, não…”.

Madeireiro 2: “Se a gente trabalhar na parte da noite é melhor, porque o ministro (Carlos Minc) vai sobrevoar aí”.

A produção do Jornal Hoje procurou a ex-secretária Telma Travincas, mas ela não foi encontrada. O advogado da ex-secretária e da ex-chefe de gabinete disse que elas só vão se manifestar quando forem chamadas pela justica. O deputado federal Ribamar Alves disse que foi ao local onde os discos de computador foram retirados apenas para fazer uma visita à ex-secretaria, que é prima dele.

http://colunas.imirante.com/decio/2009/11/11/deu-no-jornal-hoje-mafia-da-madeira-desviou-meio-bilhao-nos-governos-jackson-e-ze-reinaldo/